domingo, abril 24, 2011

Silêncio

folhas caem de mim na neve fina que cobre a calçada
saltos ecoam no frio, além de um silêncio imanente que brota das coisas
alguns corvos alheios brincam em uma estátua complacente
raios de um sol tímido tentam cobrir arbustos nus

a fumaça dança preguiçosamente persistindo aquecer coração e mente
da chávena sobe e leva o olhar que foge e alcança milhas
[observa o rio que corre, o rio]
ausente do frio, mergulha nas águas profundas
águas tranqüilas que transbordam indecisões do momento
folhas, frios, dúvidas, tatuados em uma manhã cinzenta

p.s - A música é casada com o texto, é fundamental ouvi-la.

8 comentários:

afonso rocha disse...

Que voz, Pat!!!!
Lindo!!!!!!!!!!!!

Vou pesquisar....
amei!!!!

Beijo
afonso Rocha!

Continuação de ótima Páscoa...

afonso rocha disse...

Não resisti...
vou colocar na página do meu face...este link e teu blogue, Pat!

♪ Sil disse...

Ô Pat (Tanta saudade menina),

essa música, casada com esse texto, faz a gente dizer o que?

- NADA -

Nem precisa, muitas vezes nem precisa.

Um beijo menina do BEM!

Que seus dias sejam lindos, lindos, lindos!

Helcio Maia disse...

Musicais, também, os olhos dela. Vivaz, sapeca, canta como se brincasse de amarelinha, com naturalidade.
E o rio corre...enquanto isso ocorre, eu rio...
Abraço em sol maior!

Bípede Falante disse...

Para falar bem a verdade, eu ando cansada, cansadíssima, dessa vida com tanta estação. O que vale são as folhas e as palavras que vem vem vem e vão vão vão a algum lugar perto do nosso coração.
beijos

Carolina disse...

Fundamental demais, minha querida!!!

Sam disse...

O silêncio é poderoso e pode soprar aos nossos ouvidos, verdades e caminhos surpreendentes.
Meu carinho, Patricia.
Samara Bassi

guru martins disse...

...não, não é não
e esse o grande
barato da poesia:
ter vida própria
e se dar ao luxo
de não se benficiar
da música pra fazer
o que tem que fazer
e fazer
e fez...

bj