domingo, maio 09, 2010

Noite chuvosa

ouço a chuva lá fora,

o vento na janela,
a noite chora.

em cumplicidade com a chuva e com a noite, também choro,

a água da chuva lava o escuro da noite,
minha alma, molha plantas, ruas e pensamentos,

suas lembranças chovem na noite,
molham minha alma, meus pensamentos, minhas ruas,

caminho noite a dentro, sou a chuva que molha, a noite que cai,
o vento que sopra,

no caminho busco contornos, contorno da noite,
você,
busco você na noite,
na chuva,
na memória,

te busco na noite chuvosa.

15 comentários:

Sil.. disse...

Sempre encantando a gente com textos tão lindos!!!

Um abraço Patricia querida!!!

Anônimo disse...

Nem sempre se vê...lágrimas na chuva. Molhar os olhos de emoção, o corpo inteiro, numa fração...de segundos, de súplicas, de amor (que se queria por inteiro - será possível?).

silvioafonso disse...

.


Chuva que escorre na vidraça dos
meus olhos. Onde andará aquela que
o vento beija quando chega à
janela?
Talvez a brisa que chegou primeiro
lambeu o rosto dela para levá-la a
soprar com ele...

silvioafonso









.

Carol Morais disse...

Queria Patrícia, a chuva é o choro não contido do céu. Ele chora, chora e nós acabamos por acalentar todo esse choro.

O céu chora de vez em quando sobre nós, e nós nem reclamamos. Até fazemos festa!

Lindo texto!

Patrícia Gonçalves disse...

Sil, obrigada, você é um doce! A chuva me encanta, desde sempre falo sobre ela.

Um grande beijo

Patrícia Gonçalves disse...

Lágrimas na chuva não, molhar sim, o corpo todo de emoção, súplicas de amor sempre, possíveis de corpo e alma, completamente inteira.

Patrícia Gonçalves disse...

ah poeta, depois do beijo do vento e da lambida da brisa, ela se perdeu no mundo, distribui agora lufadas de calor, completamente sem pudor.

Patrícia Gonçalves disse...

Carol linda, acho que sempre acalentarei o choro do céu. Como amo a chuva sempre faço festa, até digo para espanto de muitos "Que dia lindo!"

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Querida alma gêmea, eu sinto exatamente isso, até escrevi um dia, lágrima quente no vidro frio.

Mas me achei mesmo nessa imagem incrível da noite em mim, dos meus caminhos na noite do meus ser.

Lindo!

Juan Moravagine Carneiro disse...

Confesso que mergulhei neste poema e me vi perdido nele...como se eu fosse seu personagem nas noites frias de São Paulo...

belo poema

belo o seu espaço

agradecido pela visita ao Rembrandt

abraço

Sarah Slowaska disse...

Nossa, foram inúmeras noites passadas exactamente assim: sem saber distinguir o meu choro da chuva lá fora.
Hoje, lá fora chove, mas eu, aqui dentro, estou seca.

Sempre lindas as tuas palavras, sempre tão certeiras.

Um beijo querida!

Geraldo de Barros disse...

gostei muito mesmo da sua poesia, parabéns!

;)

Patrícia Gonçalves disse...

Obrigada, Geraldo, de novo, também gostei muito de te ler!

Helcio disse...

Água, para secar a lágrima,
Mágoa, para enganar o amor,
Anágua, para esconder o pudor,
Águia, para, ao menos, supor.

nas entrelínguas disse...

A chuva, quando vem de longe, chega mais molhada...