segunda-feira, março 08, 2010

caminho novo

Andar,
Venho andando há tempos...
a esmo, sem bússolas,
Chegar,
contratempo de percurso,
desvios e atalhos,

no caminho,
em meio às buscas,
fui eu a encontrada,

garota perdida que bate à porta,

mundo novo que se apresenta,
desconhecido,
carinhos, desejos e medos,

o gato de Alice,
alianças aladas, desaniversarios vários,
venha, comer um pedaço de bolo,
vamos comemorar a vida,
o novo, inusitado,
o insólito,
que se apresenta,

um basta nas falas,
roteiros escritos,
personagens aguardados,
andemos, inventemos,
subverter toda ordem
pretendida,

caminho que se ascende,
de mãos dadas,

medo que se olha no olho
não é mais medo.

2 comentários:

Helcio disse...

Buscar, buscar, até ser encontrada...é a saga de quem se aventura na floresta, nas escarpas. Procura-se a saída, até...ser achada, perto da entrada.
Alianças aladas...para onde irão, para onde voarão...também buscarão a saída...também serão encontradas?
Desaniversários...rejuvenescimento...a roda do tempo olhando pelo retrovisor, sossegadamente, preguiçosamente.
Olho que olha no medo não é mais olho. Emoção que se tranca no quarto é ferrolho.

Suas palavras foram lufadas de vento, a içar as minhas, fazendo-as flutuar, sem rumo, como é próprio das palavras errantes e da vida, em versão 3D, em cada semblante.

Patrícia Gonçalves disse...

Poeta, ah poeta! Você tem criar seu blog, urgente! Apesar do seu repúdio à posse das palavras, pois estas são lançadas e não te pertencem mais. Que tal lançá-las em um espaço virtual? Não serão mais suas e as compartilhará com todos.

As alianças, como suas palavras também são livres, conceito belo de comprometimento. Como conceito existem, não buscam saída nem entradas, são como o ar. Acho que vou escrever sobre isso..
bj