quarta-feira, novembro 11, 2009

Amor inventado

Quisera ser amor,
como amor pudera,
haver pretendido,

Minh´alma chora,
ausência nunca existida,
posto lugar, espaço,
nunca se quer ocorrido,

A arvore chora em folhas secas,
que leva o vento o inverno perdido,

Teus olhos me encontram,
e dizem um tudo,
em mudas palavras,

Tuas mãos me buscam,
no acaso,
de gestos cegos,

Sinto uma falta calada,
de diálogos jamais conversados,
de um tempo nunca vivido.

2 comentários:

Helcio disse...

Lembrei, por um átimo, de uma m´suica do Geraldo Azevedo, que diz: quem inventou o amor teve certamente inclinações musicais.
Ah! o amor, de Tristão e Isolda, de Marias e Josés e eu que ouso imaginar-me amando-te, sem nem saber quem és.

Patrícia Gonçalves disse...

Que incrível, não? Amar uma pessoa sem se quer conhecê-la...imagine quando me conhecer... (rsrsr), pobre homem... (rsrsr)