domingo, outubro 23, 2011

Tardes

Acalento lembranças
como também sombras 
que o sol projeta na parede
há amores trancados em mim 
esperando somente 
a troca de guardas 
para fugir madrugada à fora


Insisto em ruminar medos 
e como mosaico
me quedo em partes 
à espera da brisa da tarde
que como amiga velha 
vem aquecer os ossos 
com uma xícara de chá 
dedos de prosa

9 comentários:

Helcio Maia disse...

Para onde irão esses amores em fuga? Que não sejam projetados na parede, que não durmam na rede, à espera da troca...por qualquer outra coisa. Que tal deixar que o medos trancados fujam para fora e que os amores fiquem, madrugadas a dentro?

Patrícia Gonçalves disse...

Adorei a sugestão!!!!

bjs

Lily disse...

Hoje, estou em dia de boa colheita, passeando pelos Blogs... e isso faz tão bem à alma!

Esse teu poema, a minha cara, gosto das tardes e de pensar que podemos escapar para o amor, assim que a guarda baixar.

Pensei sobre o comentário que você deixou em meu texto: "nos damos conta de que a estrada percorrida foi insuficiente e há ainda muitos caminhos a trilhar." Para ser franca, ainda estou pensando nele. Obrigada!

Um abraço,

Suzana/LILY

Valéria Sorohan disse...

A gente não sabe dos amores que vão ou que ficam
se tanto faz
quando o tanto se desfaz
no quanto que a gente não sabe.

BeijooO*

Valéria Sorohan disse...

A gente não sabe dos amores que vão ou que ficam
se tanto faz
quando o tanto se desfaz
no quanto que a gente não sabe.

BeijooO*

Júlio Machado disse...

Uma xícara de chá e dedos de prosa é bom até mesmo no imaginário poético.
Anestesia, ao menos por um tempo, a vontade de fugir madrugada à fora...

Brindemos os nossos chás!!

Patrícia Gonçalves disse...

Oi Suzana,

Esses passeios pelos blogs me alimentam, sempre volto inspirada desses passeios.

Por aqui, compartilhamos muito mais que palavras, é vida mesmo, e isso é maravilhoso!

Beijos

Patrícia Gonçalves disse...

Valéria, não sabemos mesmo se é tanto faz ou se é a gente que se desfaz por amores desconhecidos, vá saber!

bjs

Patrícia Gonçalves disse...

Júlio, uma xícara de chá é um santo remédio nessas tardes de ruminâncias.

bjs